23 de ago de 2013

Todo dia por David Levithan

Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrar a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Autora: David Levithan
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501099518
Páginas: 280
Nota: 

Estou dormindo (ou sentando?) em cima de Todo Dia faz uma semana, divagando a melhor forma de abordar essa história. Se é que é possível fazer isso. Não é um simples caso de livro cinco estrelas que você ama e quer que todo mundo leia por ser apenas maravilhoso. Todo Dia é mais que isso e merece ser tratado como tal. É um livro único, profundo, intenso, reflexivo, quase uma auto ajuda disfarçado de ficção jovem adulto. Não, pera, me precipitei. Falar sobre ele é mais complicado que eu imaginei (bjs pra minha ryma excelente)

Não temos um protagonista, mas vários deles. Contudo, em essência, ele continua sendo a mesma pessoa - porém sendo uma pessoa diferente. Entendeu? Basicamente, a história é narrada por A, de 16 anos. Ele não tem família, não tem casa, não tem corpo. Hoje é ele é menino, amanhã é menina. Depois de amanhã é um adolescente prodígio, no outro precisa de drogas como precisa de ar. Não existe um padrão na vida de A, não é possível fazer planos ou criar expectativas. Cada dia é um mundo novo, um mundo que ele não pode - e nem deve - se apegar de modo algum. Mas, ainda assim, A é humano. Uma forma estranha, diferente e incomum, mas não menos humano. Ele tem sentimentos e não pode evitá-los. 

No primeiro dia em que a história começa, A se apaixona por Rhiannon, namorada do garoto que ele assumiu naquelas 24 horas, Justin. Nos próximos dias, ele precisa esquecer dela, seguir em frente, mas não consegue. Esse é daqueles livros que dá um nó na cabeça logo nas primeiras páginas. Imaginar a condição de A é muito difícil, completamente diferente do que estamos acostumados - até em termos de literatura. É irreal, fantasioso, mas o autor faz aquilo parecer tão concreto que te deixa pensando se não foi "possuído" em um dia qualquer e depois esqueceu. Só que aí está: nós seguimos em frente. O protagonista, não.

Se o cenário é um fator importantíssimo pra composição de um personagem, Levithan precisou se transformar em 50*. A tem vários cenários, precisa incorporar o espírito de cada um e ainda ser ele mesmo. Com isso, o autor trata de temas polêmicos com leveza sem perder a complexabilidade. É, de certa forma, extremamente poético. E também conta muito com o caráter do protagonista. Você só está ali por algumas horas, até onde precisa se preocupar em cumprir regras? São várias pequenas coisas que formam o grande bastão com que o livro fica cutucando você. 

Você lê um capítulo, precisa parar, precisa pensar. Mas não larga a história já que, de alguma forma, é impossível interromper a leitura. Você quer mais e mais de Todo Dia, as ideias vão se enredando e ficando mais difusas, o livro terminou e você tem hora no terapeuta no dia seguinte. Vou repetir tudo que disse no primeiro parágrafo: esse é um livro único, profundo, intenso e reflexivo. Se não deu muita bola pela sinopse, leia mesmo assim. O enredo é ótimo, porém o que vale é o sentimento final. Mais que recomendo.
Beijinhos ♥

5 comentários:

  1. olha, não sei, estou vendo muita gente falar bem deste livro, mas ele não me deixa curiosa para ler
    acho essa coisa de que cada dia ele é uma pessoa totalmente sem noção Oo
    pela sinopse, e pelos seus elogios, parece ser bom mesmo, mas não pretendo ler logo :x

    ResponderExcluir
  2. Gente do céu, eu adoro ler livros assim, Joana, profundos, reflexivos, que me deixem a pensar.
    Os melhores livros são assim mesmo: contundentes, desconcertantes. =)

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  3. Este livro deve ser demais!! Não me imagino na pele do personagem, nem na do autor (rs). Realmente não deve ser nada fácil criar vários "protagonistas", com histórias diferentes, cenários, etc. Incrível. Espero ler muito em breve!
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Sensacional, que livro! Doida pra conferir, pelo jeito é bom demais. A trama é ótima e já sou fã desse autor, a escrita dele é muito gostosa de ler.

    ResponderExcluir
  5. Parece ser um livro bem intrigante. Estou doida para ler.

    ResponderExcluir

E chegamos a parte maravilhosa em que vocês participam do blog comigo! Deixe sua opinião sobre o que leu/viu, só com alguns poréns:
- Comentários ofensivos à autora do blog ou outros comentaristas não serão aprovados.
- Comentários preconceituosos ou/e de caráter sexual não serão aprovados.
- Comentários anônimos não serão aprovados, a ferramenta só está ativada pela liberação de comentários com NOME+URL de pessoas não cadastradas no Google, etc.
- Comentários unicamente de divulgação não serão aprovados.
- As respostas serão feitas na página de comentários, em caso de mais urgência, utilize a ferramenta "Contato" na lateral.
Tirando essas pequenas regrinhas, fiquei a vontade! O espaço é de vocês :D Aliás, obrigada pelo comentário!