30 de nov de 2012

Playlist da quinzena #3

Mais uma playlist recheada e animada - dá o play comigo:
I really fuckin love you - The Pretty Reckless
Gosto de músicas de TPR quando o ritmo está num meio termo: dá pra entender a letra e não é leeeeenta. I really fuckin love you é bem animada e me lembra I want you want me, clássico que todo mundo ama. HEY, HEY, HEY.
#1Nite - Cobra Starship
Simplesmente não tem como não amar Cobra Starship e seu jeito animadinho! #1nite é uma das músicas mais recentes, super dançante e deixa todo mundo cantarolando as palavras repetidas do refrão.
How to be a heartbreaker - Marina and the diamond 
Mais um fruto da leva de cantoras britânicas que surgiu de repente. Não são todas as músicas de Marina and the diamond que eu curto, mas How to be a heartbreaker é mais alegre e contagiante do que as outras. A letra é ótima!
Lessons in love - Kaskade feat Neon Trees
Primeiro que a batida é incrível, segundo que é Neon Trees e só por isso você já pode esperar música boa. Sair pulando pelo quarto enquanto escuta é lei da vida.
I Cry - Flo Rida
Todos ama Flo Rida! Rap com batida eletrônica e refrão ligeiramente mais calmo com muito efeito computadorizado na voz tem um feeling robótico que geral adora dançar. Repararam o quanto estou animada essa semana?
Raphael - Carla Bruni
AMO escutar música francesa, é tão très chic! Só que não é muito fácil achar músicas da Carla Bruni que o ritmo não seja aquele estou morrendo (totalmente compreensível quando se é primeira dama da França --'). Raphael é das mais animadinhas, fácil de cantar se fizer biquinho. PHYNÈSSE!
Some Nights - Fun.
O indie do Fun pegou e virou #1, não? Coral, voz rouca, notas agudas e ritmo mais calminho virou rotina de todo mundo - e ninguém faz tão bem quanto a banda. Depois de We are young, Some Nights é a queridinha do mundo. Até melhor que a primeira música. Quer dizer... Estou em dúvida.
Sexy! No no no - Girls Aloud
Gosta de girlband? Então adicione Girls Aloud à lista de favoritos. É super animada, meio maluca e dá forças para quando está fazendo caminhada. 
Boys and Girls - Good Charlotte
O mais perto de rock que essa playlist chegou (além de TPR, claro). Boys like girls á agitada, com letra chiclete e uma das melhores músicas da banda (que me lembra McFly!). A letra é legal.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

29 de nov de 2012

Legend por Marie Lu

Legend - #1
Ambientado na cidade de Los Angeles em 2130 D.C., na atual República da América, conta a história de um rapaz – o criminoso mais procurado do país – e de uma jovem – a pupila mais promissora da República –, cujos caminhos se cruzam quando o irmão desta é assassinado e a ela cabe a tarefa de capturar o responsável pelo crime. No entanto, a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda. O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.

Autora: Marie Lu
Editora: Prumo
ISBN: 9788579272097
Páginas: 255
Nota: 

Nos últimos tempos, andei bem carente de livros distópicos. Foi um surto tão grande em poucos meses, que quando percebi já tinha lido praticamente todas as distopias lançadas no Brasil. Foi só agora que novos títulos entraram no mercado, e estou louca pra cair de cabeça em todos os novos universos futuristas. Comecei com Legend, da Marie Lu, sem conhecer a história, mas com expectativas lá em cima. Eu tento evitar, porém as vezes da certo. Em Legend, deu.

O mais legal desse gênero literário é que tudo é parecido e diferente ao mesmo tempo. Você sabe que se passa no futuro, que tem um governo opressor e que uma garota (na maioria das vezes) vai lutar pela democracia. Depois disso, as rédeas estão na mão do autor. O cenário vai mudando, cada livro trás o governo sendo autoritário de uma forma. Em Legend, o plot principal é o romance, mas sendo que a República é fator decisivo. Lá as pessoas são submetidas a uma prova quando completam 10 anos, o que define todo seu futuro. O "país" não tem problema em submeter pessoas a doenças e miséria explicitamente, tudo dependendo do resultado da tal avaliação. Você pode até morrer. Day deveria ter morrido.

Não me chamem de esquisita, mas realmente acho que os melhores romances (literários, eu digo) começam do ódio. Quer dizer, pelo menos, da tentativa de matar a outra pessoa (cof Katniss e Peeta cof). A vida de June e Day é completamente oposta: ela é prodígio da República, ele é o criminoso mais procurado. Ele mata o irmão dela, ela quer vingança. Pfvr, esse é um dos melhores plots da vida. Nesse tipo de romance não existe melação, apenas respostas irônicas e tapas na cara! Ok, acho que vou ser chamada de esquisita.

Preciso de um paragrafo só para frisar bem o quanto amei os protagonistas. Day e June são muito, muito, muito, muito, muito, muito, muito incríveis! Primeira coisa: eles são inteligentes. Eu digo, MUITO inteligentes.  Não são poucas as vezes que você nota a perspicácia dos personagens, a precisão e o grau de observação de detalhes. São extremamente corajosos, decididos e já comentei o quanto são inteligentes? Estou amando, galera. Além de que eles tem muita química - quando June não está armando para ferrá-lo (mentira, até nesses momentos você fica morrendo com a tensão sexual). 

Expectativas muito altas, livro muito melhor. Já falei que amei Legend? Que amei os personagens, a história, o cenário e todo o livro? Porque realmente acho que devo repetir para deixar mais claro. Ok, parei. Só tenho uma pequena reclamação quanto a tradução. O apelido de June é Junebug, mas foi traduzido por Joaninha. NÃO é Joaninha. Eu sou Joaninha. Enfim, é pessoal. No mais, Legend é um livro incrível, maravilhoso, excelente e você deve ler. Corre que tá barato!
Bjs,
Para você que ama, Girlie Poderosa 

28 de nov de 2012

Beauty no British Fashion Awards!

Nem só de prêmios musicais e televisivos vive os tapetes vermelhos, galera. Além das inúmeras premieres ao redor do mundo, sempre tem um jantar da Chanel, evento de revista ou premiações alternativas. O British Fashion Awards reuniu celebridades e estilistas bem vestidas para premiar sobre moda. Os looks não foram os mais emocionantes da vida, mas no geral, não é dispensável. Sempre existe beauty pra comentar, certo?
Alexa Chung eternamente a mesma, mas é uma maquiagem legal de copiar para substituir o make nude de todo dia. A sombra é um esfumado cinza bem leve, mais destacado apenas pelo lápis preto contornando o olho. O lápis bege na linha da lágrima ajuda a abrir o olhar. Blush rosado, batom cor de boca... Mas o que realmente gostei dessa vez é o cabelo. Mais comprido, não?
Cara Delevingne samba na cara de reles mortais como nós já que consegue ser ryca e phyna só com delineador gatinho. Enfim. O que dá destaque para ela é a sobrancelha grossa e escura, contrastando com o cabelo claro. Não sei se isso é ressentimento de quem nasceu com só metade da sobrancelha (sem exagero), mas eu acho linda! 
Lily Collins é outra que não tem problema com sobrancelha, mas prefere por não deixar o destaque todo só por ai. O batom vinho é trend da temporada (embora possivelmente dê lugar para tons mais vivos no verão) e chama bastante atenção. No olho é bem discreto: esfumado leve e 9437463 camadas de rímel. Amei o cabelo de Clary versão podrinha.
E ai, quem reconhece? Com maquiagem leve e nem um pouco característica, Rita Ora foi uma dos destaques do tapete vermelho (se bem que acho que isso se deve ao make clean, não ao vestido Vivianne Westwood feio). O esfumado marrom com olho bem contornado de preto é lindo e vai do dia à noite. Legal que o gloss nude ajudou a disfarçar a boca estranha dela. #má
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de nov de 2012

Na Locação por Jen Calonita

Na Locação - Segredos da minha vida em Hollywood #2
Com spoillers leves do livro anterior

Tudo indicava que o verão dos sonhos havia chegado para a princesinha de Hollywood, Kaitlin Burke - está de bem com a mídia, finalmente o namoro com Austin engrenou e foi chamada para atuar no novo filme do seu diretor favorito. Mas a vida no set de filmagens não é perfeita... Sky Mckenzie continua disposta a fazer da vida de Kaitlin um inferno. E dessa vez ela não está sozinha - a estrela vai ter que fazer par romântico com seu ex-namorado e uma nova executiva do estúdio resolve que a jovem atriz tem de fazer de tudo para promover o novo filme... mesmo se isso significar deixar o namoro de lado. 

Autora: Jen Calonita
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501078568
Páginas: 272
Nota: 

Sabe quando você gosta muito de uma coisa mas não consegue colocar fé na continuação? A nova comédia do Mathew Perry, Go on, por exemplo. Eu amei o piloto, mas achei que não teria trama para uma temporada inteira. Já foram 8 episódios jogados na minha cara. Segredos da minha vida em Hollywood, da Jen Calonita, também é um desses casos. Por mais que eu tenha amado o primeiro livro e ficado com a ponta dos dedos doendo, não imaginava que teria uma trama tão boa para continuar a leitura. Porém, quando a autora é boa, os personagens são legais e o cenário é lyndo, sempre tem. Felizmente.

No primeiro livro, Kaitlin se disfarçou de garota comum para enfrentar algumas semanas de ensino médio, e no final, deu tudo certo: namorado gato, filme novo com seu diretor favorito de todos os tempos e capa da Fashionistas (a Vogue da ficção). Eu não imaginava o que a autora poderia fazer para a continuação não ser só mais uma história bobinha jovem adulto, com série só pra enrolar o leitor e faturar mais. Só que, como eu falei, livros são feitos de detalhes: personagens, narrativa, cenários e pequenas coisas. O plot inserido aí pode não ter aquele mesmo apelo ex-fã-de-Hannah-Montana, mas ainda assim é algo que eu gosto e sinto falta na literatura YA.

Esse livro é uma completa imersão em Hollywood, já que Kaitlin está gravando um filme em tempo integral. Acaba sendo mais interessante que procurar fotos de bastidores no Just Jared e fofocas no Perez Hilton. Pode ser ficção, mas você entra na história e acaba vendo como se fossem suas celebridades favoritas: namoros forjados por publicidade (Lily Collins e Jamie Campbell Bower namorando? Só não é tão óbvio quanto a volta de KStew e Robert Pattz), as listas de exigências (quem lembra de quando vazou as listas da Demi Lovato e The Wanted no Z Festival?)... São coisas que você sabe que existem, mas quer detalhes. Kaitilin vai largando segredos de Hollywood por todo o livro, alguns óbvios, outros nem tanto.

Jen se joga no carisma para compor seus personagens. A equipe de Kaitlin é incrível, todos agitados, ocupados e com roupas grifadas. A interação entre eles sempre rende as melhores partes do livros, só senti falta de Rodney, o segurança que ficou meio alheio, e Laney, que deu a impressão de estar o tempo todo se metendo em confusão no trânsito. Um contra ponto dessas partes é Austin e Kaitlin, tão fofos... Ele passa uma sensação de calma, diferente do fervor de Hollywood. 

Sabia que ia gostar, mas não imaginava que seria tanto. Segredos da minha vida em Hollywood: Na Locação é uma daquelas séries fofas e adolescentes que não são mais destaque no mercado editorial, mas fazem falta. Depois de dois livros tão bons, perdi minha falta de confiança em Jen e acho que ela consegue criar novos plots para mais livros. Quero o resto da série logo, é muito amor! 
Bjs,
Para você que me ama, Girlie Poderosa

26 de nov de 2012

Vamos nos jogar na nail art?

Virei rata de tutorial, não consegui evitar. Depois de postar algumas ideias de penteados (aqui), me peguei acumulando passo-a-passo de nail arts na pequena pasta de material para posts. São ideias legais, fofas, algumas fáceis de fazer e dão pra bancar aquele momento "vamos fingir que tenho coordenação motora, ok". Os créditos estão na própria imagem (e as sem créditos são do we ♥ it).
"Fáceis": 
Certo, vamos começar pelas fáceis. Sem mistério: faça um fundo claro, coloque um pedacinho de papel nesse formato sobre a unha e pinte por cima de uma cor mais forte, e depois repita. Também dá para inverter a ordem das cores e fazer filha unica.
Essa daí qualquer ser humano com dedos consegue fazer, até eu (não estou brincando de exagerada quando digo que sou um desastre para esses trabalhos manuais). Faça um fundo claro, coloque esmalte na ponta de um pincel e passe o dedo para respingar. Pronto - e lindo. Vou fazer, sociedade (conto se tiver êxito)!
Vamos continuar com facilidades: degradê gato. Mais básico impossível: faça o degradê numa esponja e passe na unha. Depois retire o excesso. Um extra brilho ajuda na finalização.
É meio que uma união de anteriores, não? Faça um fundo colorido, espere secar e cole uma tirinha de sei lá que tipo de adesivo é esse. Um esmalte preto por cima e depois retire a fita. Pode fazer desenhos diferentes como na foto, fica mais legal.
Médio:
Vamos dar uma dificultada. Todo mundo morre de amores por galaxy print, e essa é uma das nail arts mais lindas de todos os tempos. O caso aqui é fazer fundo preto, misturas várias cores com esponja e passar glitter prateado no final. O problema é que NUNCA fica igual.
Algo meio Spider Man com cores claras, achei legal. Faz fundo branco, passa uma faixa azul e outra vermelha. Depois é só pegar um palito e puxar listras do branco, espalhando a cor. 
Unha filha única é amor da vida, não? E a bandeira britânica junto das pretas é tão cool que dá vontade de fazer permanentemente. Enfim, por mais que seja uma única unha por mão, precisa de dotes artísticos e mão sem Mal de Parkinson. Sem mais, é esse o desenho. Achei linda e vou tentar. Prevejo desastre.
Difíceis: 
Agora complicou, peeps: vamos desenhar! Esse amuleto indígena americano é muito queridinho das garotas do tumblr e é legal, porém difícil. O desenho é cheio de pequenos detalhes, sem falar nas penas. Se você é Joana da vida, nem tente.
Nail art tribal. Sem comentários. Mas é MUCHO linda. (na verdade, acho que "mucho" não vai antes de adjetivo, mas tem uma pronuncia muito melhor que muy. #culturas)
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

25 de nov de 2012

Essa Semana #61


Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária... 

♥ Leitura do momento:
Segredos da minha vida em Hollywood: Na locação - Jen Calonita

♥ Li essa semana:
Shine - Lauren Myracle
Legend - Marie Lu
A maldição do Lobisomem - Shannon Delany

 Resenhei essa semana:
Leviatã por Scott Westerfeld
O diário de Tati por Heloísa Perissé
Shine por Lauren Myracle

♥ Super Posts:

 Ultima Compra: 
Sorvete?

 Desejo Comprar Urgentemente:
Divergente e A Seleção. Preciso de mais distopias DJÁ.

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Jess, bate na Sarah! Bate na Sarah!" (juro que não sou violenta, é o momento apenas)

Eu falaria para o autor:  
"Marie Lu, apenas: O.M.G."

 Estado de Espirito Literário:
Animada.

Literary Crush: 
Day e Pietr.

♥ Feito da Semana: 
Muitas provas. 

♥Queria ver no Brasil:
Continuação de Legend. E Black Friday decente, com servidores resistentes.

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
Distopias. Quer dizer, muitos livros didáticos. +1

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
Segredos da minha vida em Hollywood: na locação - Jen Calonita

Super Quote:
"- E você nunca sentiu uma atração maluca por alguém? Você sabe, algo que não pode ser explicado? - retrucou.
- Como amor à primeira vista? - sugeri.
- Não amor à primeira vista. Desejo à primeira vista. Você nunca quis algo assim?
- Sim, já - admiti. Aproximei-me mais. Olhei em seus olhos azul claros e disse: - Toda vez que sai um livro sobre vampiros, eu o quero."
A maldição do lobisomem - Shannon Delany - Página 67 
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
Apresentação da Taylor PHYNA Swift no American Music Awards *O*
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

24 de nov de 2012

Shine por Lauren Myracle

Shine
Um rapaz surrado, amarrado e deixado para morrer, palavras de ódio rabiscadas em seu peito... Uma garota se recusando a viver sua vida, subjugada por um segredo vergonhoso... Quando seu melhor amigo se torna vítima de um brutal crime de ódio, Cat, uma adolescente de dezesseis anos, começa uma jornada para descobrir quem cometeu o crime em sua pequena cidade. Ricamente ambientado, este audacioso mistério mina os segredos de uma comunidade preconceituosa unida e examina a força de vontade necessária para ir contra todos que você conhece, em nome da justiça. Tendo como pano de fundo o preconceito, violência, grupos fechados, drogas e intolerância, Myracle escreveu com habilidade um conto angustiante sobre a transição para a vida adulta, enredada em um mistério profundamente inteligente. Perspicaz, corajoso e comovente, esta é uma obra inesquecível de uma autora querida.

Autora: Lauren Myracle
Editora: Pandorga
ISBN: 9788561784225
Páginas: 319
Nota: 

Realmente não faço ideia no que me atraiu a ler Shine. Não conheço a autora, a sinopse não é a minha cara, a capa não é lá essas coisas... Mas fiquei curiosa (acho que foi a fonte da capa, então #aloka). Gosto de mistério, mas não corro atrás de crimes. Também prefiro a parte agitada dos EUA, grandes metrópoles como NY e LA, não cidades sulistas desconhecidas. Eram inúmeros fatores que poderiam me fazer desgostar do livro, contra apenas o pequeno Shine em verde limão. 

O plot principal do livro é um abre olhos para um dos maiores problemas mundiais: a homofobia e os crimes cometidos contra os gays. Porque, agora, se você descorda da opção sexual de alguém, deve mais é bater na cabeça do dito cujo com um taco de beisebol e fazê-lo ingerir gasolina. Enfim. Isso é o que acontece com Patrick, amigo de Cat. Ou melhor, ex-amigo, já que os dois perderam o contato através dos anos. Sentindo-se culpada, ela quer descobrir o culpado.

O fator cenário é decisivo para a trama. Se não fosse uma cidade pequena, perdida no tempo, cheia de preconceitos e tabus, o crime teria uma investigação intensa, ou ao menos, as pessoas teriam sensibilidade com o ocorrido. Mas não é o que acontece. Como todos se conhecem, por que ir atrás e acabar prendendo  alguém que você conhece, não é? Tem também o caso que as pessoas não se importam com Patrick, que ele esteja em coma e provavelmente nunca acorde. O papel de livros como Shine no mundo de hoje é enorme, e acaba sendo muito mais tocante que muito Profissão Repórter da vida. 

Para livros como esse, a protagonista deve ser inteligente, ligada e intuitiva. Thanks God, Cat é. Depois de um triste "episódio" por qual passou, ela se distanciou de tudo e de todos, e se jogou nos livros. Patrick foi só uma das amizades que perdeu, mas a que mais a marcou. O sentimento certo não é culpa, nem ressentimento, talvez um pequeno desejo de vingança. De qualquer forma, ela embarca de cabeça no que aconteceu sem pensar duas vezes. Só fiquei meio surpresa com uma única pista óbvia e forte que ela deixou passar. Ok, a fonte não era muito confiável (mas, afinal, qual é?), mas né.

Lauren escreve muito bem. Estou até o último fio de cabelo com compromissos, reta final de colégio e vestibular batendo na porta. Mesmo assim, achei tempo para não desgrudar da leitura. As palavras fluíam e me prendiam, queria logo achar o criminoso homofóbico e ver Cat se dar bem. Apenas uma ressalva: certo, não sou médica nem nada, mas acho que a autora deveria, no minimo, ter feito um curso intensivo sobre o caso de Patrick antes de criar sua história. Tem coisa extremamente absurda e forçada no final. Sem spoiller.

Se está procurando um romance, essa não é melhor opção. Se quer rir, esqueça esse livro. Mas se você quer uma história envolvente, fluida, que provoque reflexões e lhe deixe eletrificado, recomendo Shine. O livro é ótimo, com suas pequenas falhas de lógica (e bom senso), com personagem bem caracterizados e motivos realistas. Gostei e recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de nov de 2012

Melhor da Miley!

É só a minha timeline do twitter que foi invadida pela Miley Cyrus hoje (e Black Friday também, obviamente)? Não se pode esquecer do mural do facebook. Fazia tempo que um aniversário de celeb não era tão trend topics assim (ou, talvez ~só talvez~ eu siga pessoas obcecadas por MC). Enfim. Tudo isso despertou meus instintos atrás de pauta, e resolvi escolher as melhores peças do guarda roupa da cantora no último ano. 
Vestido favorito: Eu realmente acredito que vestidos de paetês ficaram muito banalizados e perderam seu charme ousado nos últimos meses. Entretanto, existem alguns modelos que ainda são legais - esses mais incomuns, com manga comprida e tecido pesado. Parece linho. Quero um!
Jaqueta favorita: Não sei porque, mas sou muito apaixonada por jaquetas de couro coloridas (mentira, eu sei sim: é porque perdi a oportunidade de comprar um menta quando tive a chance. Agora fico só na inveja). De qualquer modo, amarelo é lindo (eu acho!), e os detalhes de spike dão um pouco mais de rebeldia. Esse seria um dos looks perfeitos da vida se esse óculos não existisse. Já comentei que odeio esse modelo de óculos?
Macaquinho favorito: Já contei que amo macaquinhos? *-* E agora também sou fã de caveiras. Unir os dois dá nisso: cool ao cubo. O detalhe do decote e barra com as cores inversas dá um toque mais pin up que fica completamente sucumbido a rebeldia geral. Já vi para vender na Nasty Gal, mas é muito pra morrer (por causa do imposto, não do preço). Brasil rocks, sqn.
Shorts favorito 1: O meu objetivo para o verão era achar um short exatamente como esse (só que marinho): renda, cintura alta e barra levemente scalloped. É tão meigo! O melhor é que ainda dá pra fazer a rebelde e usar com outras peças mais pesadas, como o coturno. HiLo, seu lindo, todas ama.
Shorts favorito 2: Sim, amo shorts e tenho dois favoritos. De uns tempos para cá, me apaixonei por estampa tribal e agora tudo que venha com formas geométricas descoordenadas e cores fortes tem meu coração. Cintura alta, combina tons de roxo, azul e coral... Quer melhor?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

22 de nov de 2012

O Diário de Tati por Heloísa Perissé

O Diário de Tati

A vida de Tati é um festival de perguntas sem respostas: Por que sou obrigada a fazer tudo que não gosto? Por que tenho que acordar com despertador? Por que não posso comer tudo o quero sem ficar enorme de gorda? Por que tenho que ter espinhas? Por que tenho que passar pela adolescência? Para agüentar tanta pressão, só mesmo contando tudo para alguém confiável que não vá depois detonar você com a galera.
Para resolver esse problema a Tati descobriu o Di. Um superamigo caladão, fiel, em quem ela pode confiar sem medo de que seus segredos sejam revelados. O Di é o diário secretíssimo da Tati onde ela conta tudo. Da sua paixão pelo Zeca até o mico do acampamento com a turma da escola. Como ela mesmo diz: ´Cara, fala sério. Tem horas que minha cabeça seqüela. É pai sem dinheiro. Mãe com dor-de-cotovelo. E o gatinho do Zeca que não me dá a mínima. Tipo assim, a vida é feita de muitos obstáculos. Por isso, inventei o Di.

Autora: Heloísa Perissé
Editora: Suma de Letras
ISBN: 9788581051000
Páginas: 134
Nota: 

Todo mundo que viveu 2006 (eu acho, não me comprometo com a data) lembra da Heloíse Perissé e O Diário de Tati no Fantástico. Era o único quadro que me motivava a assistir aquelas longas horas de previsão apocalíptica. Então passaram anos e ninguém mais ouviu falar da Tati, até a estreia do filme em agosto e o relançamento do livro. Claro que eu quis ler, né. Tipo assim, cara, a Heloísa Perissé é uma ótima comediante.

Pfvr, a partir de aqui vou adicionar todas as gírias que couberem na resenha, cara, porque, tipo assim, o livro é bem punk assim. Brincadeira, não consigo - é bizarro. Ok, parei. Sem querer bancar a srta Óbvia, o livro é o diário de Tati (dã) e segue a risca esse formato. Tati apelidou seu caderno secreto de Di, para criar mais intimidade, você sabe, e então fala como se fosse o melhor amigo. 

Os dramas são característicos, clichês e se fossem diferentes não se adequariam tanto ao livro como foi. Tati tem problemas com os pais, se apaixona fácil, odeia matemática e acha que vai bombar no colégio. Coisa de adolescente, como diriam 11 a cada 10 pais. É nessa fase que tudo vira o fim do mundo (na verdade, é  realmente o fim do mundo, mas enfim), e a autora se aproveita disso para construir catástrofes loucas e exageradas.

É aí o grande trunfo do livro: o lado comédia. O Diário de Tati força a barra no drama - o drama engraçado tipico da adolescência. Força nas gírias - que, para o livro, é uma tirada inteligente e que deixa tudo mais fluido. Não é pra provocar reflexões, é para arrancar gargalhadas. E isso faz com maestria. Adoro Heloísa como atriz de comédia, agora também sou sua fã como autora de comédia. Não me marcou, mas eu ri, e recomendo para a tarde chata de segunda feira chata.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

21 de nov de 2012

Prenda o cabelo, garota!

Eu gosto de verão, acho que existe mais liberdade poética nessa estação. Estamos todos mais livres, não? Principalmente quando se fala em moda e beleza. Não está 10ºC, você não precisa usar jeans e casaco de lã, o cabelo solto protegendo o rosto do frio... Agora calças compridas só quando for extremamente necessário, até cardigã pede folga e ninguém aguenta cabelo grudando no pescoço. Pensando nisso, me joguei nos tutoriais de penteados pelo mundo, jeitos novos de jogar o cabelo pra lá e pra cá. 
Rabo de cavalo lateral é uma das sete maravilhas do mundo - extremamente prático e mais legal que o certinho perto da nuca. Mas que tal acrescentar uma trança? Começa junto da franja e vai afinando, e acaba quando começa o rabo. Os fios que sobrarem envolvem o elástico. Uma tiara dá um efeito a mais, mas por si só, já é lindo.
Ok, você não vive se os cabelos não estiverem soltos, entendo você (mentira, não entendo, mas ok). Que tal, então, mudar um pouco a cara e se jogar no topete da Bridgit Bardot? É só separar uma mecha no "topo da cabeça", desfiar e prender. Existem inúmeros DIY no youtube, é só procurar!
Apenas amei esse cabelo e preciso me jogar no ombré highligts - é tão lindo! Enfim, esse é um penteado mais arrumadinho, mas dependendo, porque não no dia a dia, né? As fotos explicam bem direitinho: cabelo dividido em quatro partes, desfia e faz topete na de cima, prende e enrola com as outras três. O babyliss dá o toque final.
Ainda nessa de "invejando cabelo alheio", vamos comentar o quão lindo é esse laranja vivo? Não, não vamos porque cabelo de ninguém que não é ruiva vai ficar assim um dia. Mais um jeito fofinho de fazer rabo lateral, enrolando desde trás. É a solução da vida pras mechas que ficam escapando do elástico (win!).
Esse parece ser mais simples, mas NÃO, não é! O preso começa como uma trança meets nós, e eu realmente não entendi como começa e termina (atei todo meu cabelo tentando fazer. Sacanagy.). Se alguém souber, comenta e beijos. 
O penteado oficial da minha passagem pela Terra. É fácil demais, não esquenta o pescoço (só eu sou obcecada com calor no pescoço?) e toda garota do tumblr que se prese tem uma foto mostrando o quanto é cool e fica bonita só amarrando o cabelo para cima. 
E para fechar, a continuação do coque anterior. Agora é só dividir no meio, enrolar com algumas madeixas e bancar a Lady Gaga.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

20 de nov de 2012

Leviatã por Scott Westerfeld

Leviatã - #1
Scott Westerfeld, autor da série Feios, reinventa aqui a Primeira Guerra Mundial em uma narrativa steampunk. Em lados opostos, mekanistas lutam com aparatos mecânicos movidos à vapor e darwinistas usam imensos animais geneticamente modificados, e adaptados para a batalha. Alek Ferdinand, príncipe do império austro-húngaro, está sem saída. Perdeu seu título e o apoio do povo, restando apenas um imenso ciclope Stormwalker e um grupo leal de homens. Por outro lado, Deryn Sharp é uma jovem plebeia que se disfarça de homem para ingressar na Força Aérea Britânica. Os caminhos dela e de Alek se cruzarão de maneira inesperada, levando-os a bordo do Leviatã para uma viagem que mudará suas vidas.

Autor: Scott Westerfeld
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501097583
Páginas: 365
Nota: 

Todo mundo sabe que não preciso de muitas experiencias diferentes para adicionar um autor para minha lista de favoritos ou odiados. Depois de Feios, nunca escondi que meus sentimentos por Scott Westerfeld eram, digamos, bem desagradáveis. Eu não gosto do autor, não entendo sua mentalidade esquisita e torço o nariz para seus livros. Mesmo assim, honrando o título brasileiro de insistente, quis ler Leviatã. Me surpreendi, gostei e a vida perdeu o sentido.

Já ouviu falar de steampunk, o "novo" subgênero de SciFi que vai virar sr. best seller do The New York Times? Ele mistura passado e futuro, adicionando tecnologia super avançada em antigos momentos da história da humanidade. Leviatã é nessa ideia, com muita modernidade durante a primeira guerra mundial. Meu lado vestibulanda foi atraída por esse fator, e é muito legal ver um lado diferente daquilo que conhece do entediante livro didático de história desprovido de diálogo. Mais steampunk na vida, pfvr.

Os personagens principais são Alek, filho do Arquiduque austro-húngaro Francisco Ferdinando, e Deryn, que se disfarça de garoto para entrar para a Força Aérea Britânica, e eles estão naquele momento de tensão antes da guerra explodir. A estrutura por trás dos personagens deve ser bem montada, e foi. Muito da personalidade dos personagens é baseado no seu passado, o que fez de Alek bastante arrogante e Deryn mais inteligente e corajosa. Nem preciso dizer qual foi meu personagem favorito, não?

Não tenho mais uma opinião formada e certificada do autor, mas mesmo assim, continuo achando suas criações um tanto exóticas demais (sim, sou implicante). A Europa é dividida entre makenistas e darwinistas,  nomes bem literais para designar qual seu instrumento principal de guerra: máquinas super potentes ou criaturas geneticamente modificadas. Por um momento, fiquei bem perdida com lagartos gigantes que falam, mas depois acostuma e até acabei virando team Darwin.

Foram quatro estrelas, não consegui dar nota máxima pela demora até o livro me prender e o quão chato Alek conseguia ser (e também porque sou orgulhosa, ignore). Leviatã é uma experiencia literária nova e empolgante, que mistura muitas coisas e precisa ser bem embasada. Gostei que, no final, o autor tenha diferenciado o que era ficção e não, poupou algumas horas no Google. Depois disso, acho que até posso dar outra chance para Feios... Er, acho que não. Mas Leviatã eu recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

19 de nov de 2012

Looks: American Music Awards 2012

Primeiro de tudo, esse é o post nº 1000 do blog, então vamos todos comemorar minha enorme força de vontade e dedicação! \õ/ Mas vamos ao assunto: tapete vermelho do AMA de ontem, um dos mais esperados do ano e que conseguiu apagar a lembrança horrorosa do EMA da semana passada. Muita gente lynda, ryca e bem vestida (nem a Nicki Minaj tava feia! Quer dizer...). LOVED.
Ginnifer Goodwin: É fato sobre a vida: não tem como ficar mal vestida se você usar Oscar de la Renta. Simplesmente não tem. O vestido era um glamouroso e feminino, cheio de brilhos e com saia rodada. Não sou muito fã dessa gola estruturada, acho que é de um futurismo que não combina. Mas no geral, adorei! A sandália prata de tiras é muito lynda.
Hayden Panettiere: A atriz tem um gosto meio duvidoso e um tanto bipolar. No momento, ela está numa fase "muitos brilhos", meio old Taylor Swift, cheia de erros e acertos. Dessa vez eu gostei. O Giorgio Armani é bem basicão, tem comprimento certo, complementos certos e ficou bem adequado (para a situação e para idade dela).
Jennifer Morrison: Impressionante que as barreiras de Storybrooke foram quebradas por uma noite, não? Emma, ops, Jennifer também apareceu phynesse, com seu longo preto com fenda e decotado, brilhos no tecido, pedraria na gola e mangas fofinhas. Amei - e olha que costumo complicar bastante com esse modelo de vestido. E com a atriz.
Kelly Rowland: Visualize e guarde essa estampa geométrica meets tribal - ela vai ser tudo na temporada. Embora esteja longe de ser meu favorito da noite, o Naeem Khan em tons neutros é bem bonito e sofisticado. Claro, nem de perto tão bonito quanto as sandálias Gucci de pedras. To morta com elas!
Nicki Minaj: Não, gente, não estou zoando, eu realmente gostei do look da Nicki Minaj. Não que seja lindo e tudo mais, mas por ser ela, e não ser horroroso, é um grande feito da vida. O modelo Monique Lhuillier neon ajudou a disfarçar os dois quilometros que ela tem de quadril (maldades) e é trend. 
Pink: Todo mundo sabe que sou muito fã da Pink, escuto suas músicas direto e nunca consigo enjoar de Perfect. Todo mundo também sabe que seu estilo costuma ser um tanto esquisito, além do péssimo corte de cabelo (imitado pela Miley Cyrus). Para felicidade geral do mundo, ontem foi exceção a regra e o vestido Catherine Duane é lindo! O corpete de couro com vazados é todo moderninho, enquanto a saia plissada dava a cara phyna. Estou em choque ainda. 
Stacy Keibler: A mesma ideia de estampa da Kelly, só que menor. O vestido Collette Dinnigan é comprimento mini com direito a muito ~~~~muito~~~~ brilho. Só o scarpin nude de bico blergh fino ficou perdido. Qualquer sandália preta de todo dia já dava outro efeito.
Taylor Swift: Pfvr né gente, Taylor souphyna Swift de Zuhair Murad dispensa comentários, não? O vestido nude com brilhos já é lindo de frente, mas é só virar e você vê o detalhe frente unica. A sandália Jimmy Choo também é muito ryqueza. RYCA.
Zendaya: Mas, na verdade, meu grande grande GRANDE favorito na noite foi o Alice + Olivia da Zendaya. Quer vestido mais lindo na vida? *O* Corpete manga longa com brilhos pretos sobre nude e saia de tule preta. É tão lindo e maravilhoso que até dá para ignorar o bico fino de Louboutin. Acredite, isso significa muito para mim.
FAIL da noite: Xtina Aguilera em Pamelka Rolland.
Prefiro me abster. Francamente, Xtina, francamente.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa (pela milésima vez!)

18 de nov de 2012

Essa Semana #60


Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária... 

♥ Leitura do momento:
Shine - Lauren Myracle

♥ Li essa semana:
Leviatã - Scott Westerfeld

Belo Desastre - Jamie McGuire (reli, estava com saudades do Travis!)

 Resenhei essa semana:
A Sombra da Serpente por Rick Riordan
Romeu Imortal por Stacey Jay

♥ Super Posts:

 Ultima Compra: 
Batom!

 Desejo Comprar Urgentemente:
Biquíni, olá verão :)

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Deryn, você disfarça a voz?"

Eu falaria para o autor:  
"Scott, quem amadureceu desde Feios? Eu ou você? Acho que foi você."

 Estado de Espirito Literário:
Precisando desanimar (minhas provas começam essa semana e depois tem vestibular)

Literary Crush: 
Reli Belo Desastre, então... TRAVIS, SEU LINDO ♥

♥ Feito da Semana: 
Fiquei em dia com meus seriados (embora agora não tenha mais tempo e vou atrasar novamente). 

♥Queria ver no Brasil:
E no mundo todo: THE MORTAL INSTRUMENTS: CITY OF BONES.

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
Romances. Quer dizer, muitos livros didáticos.

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
Legend (Marie Lu) e À Primeira Vista (Nicholas Sparks) - sacou meu drama? Esses dois livros na pilha e tenho que ES-TU-DAR. Triste.

Super Quote:
"A primeira rodovia pavimentada do Brasil, hoje conhecida como Washington Luís, foi inaugurada em 1928, ligando a cidade de Rio de Janeiro a Petrópolis." - sério, não estou zoando. A outra opção seriam os tipos de rodovias brasileiras e os aeroportos mais movimentados do país (vocês sabiam que, no Brasil, existem 33 aeroportos domésticos e 33 internacionais? Pois é, utilidades)
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
Um minuto de silêncio:
TRAILER DE CITY OF BONES, CHORANDO ENLOUQUECIDAMENTE DE AMOR! ♥ Se fechar os olhos enquanto o Jamie fala, dá muito bem para acreditar que é o Jace (porque com os olhos abertos... Ele é feio, coitado). Estou muito morta de morte morrida ♥♥♥♥♥♥
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa