31 de jul de 2012

Aluga-se para temporada por Mary Kay Andrews

Aluga-se para temporada
Depois de ser despedida inesperadamente do emprego, Ellis começa a questionar as escolhas que havia feito na última década de sua vida. Julia é modelo e mantém um relacionamento com um homem que a ama e deseja se casar com ela, mas está muito insegura com sua aparência e com a possibilidade de mudar de vida. E Dorie se divorcia quando o marido descobre que está apaixonado por outro homem, descobrindo em seguida que está grávida dele. Assim, elas resolvem passar um mês na Carolina do Norte para repensar suas vidas, mas quando encontram uma estranha em busca de abrigo tudo pode acontecer. 

Autora: Mary Kay Andrews
Editora: Essência
ISBN: 9788576658818
Páginas: 363
Nota: 

Sou só eu que tento coordenar datas da vida real com literatura? Como o clássico ler sobre férias quando você está de férias? Isso aproxima leitor e personagem e você acaba sentindo maior empatia pela história, mesmo que seja do outro lado do mundo e tenha sociedades secretas de mafiosos lobisomens por lá. Não que esse seja o caso de Aluga-se para temporada, da americana Mary Kay Andrews. Quer dizer, seu livro não tem sociedades secretas de mafiosos lobisomens, mas seu cenário é uma praia, seu período é um mês de férias... Só isso já não deixa você mais relax?

As vidas de Dorie, Ellie e Julia não andam a mil maravilhas. Ellie, uma grande workaholic, acabou de ser demitida. Dorie está se divorciando. A carreira de Julia não está com o mesmo gás que antes. Mas ao contrário de passarem as férias de agosto deprimidas com um pote de sorvete, elas vão para Ebbtide, uma casa de praia. Entretanto, as três amigas não estarão sozinhas. Ty Bazemore é o locatário da casa, falido e que não causou uma boa primeira impressão. Tem também Madison, que aluga o sótão da casa, e não deixa ninguém saber muito mais do que isso. Um mês é muito tempo...

A premissa do chick lit é interessante, talvez um pouco rasa. Férias, mulheres com problemas... O toque especial de toda história é o mistério por trás de Madison, embora o leitor tenha oportunidade de descobrir os segredos por trás da personagem um pouco antes. Isso foi o diferencial: além de romance e crises existenciais femininas, uma história maior, um enredo mais firme. Eis o ponto positivo de Aluga-se para temporada.

Em compensação, o livro se arrasta. Primeiro de tudo, ele é enorme - e seu tamanho assusta quase tanto quanto descobrir que aquele pseudo-tijolo tem apenas 360 páginas. Ele é bom, mas faz parecer que a leitura não rende. Parece que leu 100 páginas quando, na verdade, leu apenas 20, talvez 30. As personagens são fracas, suas tiradas não tem nada demais. O romance até que é fofinho, mas não prende. Eu remei, remei, remei, e foi uma alegria chegar na praia e dizer "Enfim, terminei".

Eu gostei do livro, mas não gostei de passar dias e dias o encarando do lado da cama. Parece que o espirito de férias das personagens junto ao meu, não teve um bom resultado, e foi muita preguiça reunida. Um núcleo interessante, outros vários cansativos. Aluga-se para temporada não foi nenhum marco pra mim, mas se for seu estilo, quem sabe...
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

30 de jul de 2012

Orelhas em editorais? Culpe Ear Cuff!

Até quatro minutos atrás, eu nunca tinha parado para pensar, de verdade, o quanto brincos andam sofrendo bullying entre os estilistas e editores de moda. Não ria, é sério. Analise os últimos anos em termos de acessórios: a febre de anéis - enormes, duplos, triplos, usados em conjuntos, dois em um único dedo. A tendência que foi o pulseirismo, a estreia triunfante das shamballas, pulsos pesados de tantos adornos. Não esqueça os maxi colares de agora, com sua pedras enormes e brilhos nada discretos. E os pobres brincos? Esquecidos, coitados.
Você usa pérolas, troca por aquelas pequenas pedrinhas de brilhantes, aposta numa argola, talvez. No seu porta joia, quem sabe, pode ter alguns outros brincos mais diferentes, pesados e incrementados. Nas lojas de acessórios, a parte dos brincos sempre é imensa, mas convenhamos, qual a novidade? O que disso já não foi usado lá nos anos 2000, quiçá antes. Depois de muito tempo no esquecimento, alguma boa alma resolveu trazer novidades para brilhar nas nossas orelhas: olá, ear cuff!
Ear Cuff são brincos, basicamente isso. Perai, eu disse básico? Me enganei, não é bem assim. Eles não são precisam de orelha perfurada, ocupam mais espaço que o normal, usados parte atrás da orelha e são muito, muito, muito chamativos. Eles se destacaram na SPFW, e lá fora são bastante usados por aquelas celebs bapho, como Rihanna e Fergie.
Para dizer que se enquadra em vários grupos, os Ear Cuff aparecem nas mais variadas versões - e não estou falando de prata e dourado. Para as mais discretas, vem as correntes e algumas frases. Cá entre nós, o discreto já chama muita atenção. O que esperar, então, dos verdadeiros acessórios baphonicos? Animais, pedrarias, penas, ou quem sabe animais com pedrarias com penas. Tem de tudo, você escolhe.
Na primeira vez que vi, torci o nariz. Depois de duas semanas, achei apenas estranho. Hoje já acho que usaria tranquilamente os mais discretos. Me pergunte daqui a um mês, quando estarei enlouquecida atrás de lojas que vendam os de penas. São exóticos, esquisitos, e não ganham simpatia à primeira vista, mas depois... Você usaria?
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

29 de jul de 2012

Essa Semana #44

Meme semanal hospedado pelo Lost in Chick Lit, onde compartilhamos pequenas informações sobre a nossa semana literária. Tendo como principal objetivo encorajar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre outras pessoas apaixonada por literatura.

Vem comigo na minha semana literária...


♥ Leitura do momento:
Aluga-se para a temporada - Mary Kay Andrews

♥ Li essa semana:
Bem mais perto - Susane Colasanti
Laura - Sarra Manning
Banidos - Liz Braswell
Vaclav & Lena - Haley Tanner


 Resenhei essa semana:
Uma americana em Paris por Gabriela Freitas
Laura por Sarra Manning
Branca de Neve e o Caçador por Lily Blake, Evan Daugherty, John Lee Hancock, Hossein Amini
Bem mais perto por Susane Colasanti
Confidências, confusões e... mais garotas por Gustado Reiz
Banidos por Liz Braswell
Vaclav & Lena por Haley Tanner

♥ Super Posts:
As novas Branca de Neve
SORTEIO: Branca de Neve e o Caçador
SORTEIO: Bem mais perto

 Ultima Compra: 
Um moletom da GAP -  agora sou descolada \õ/

 Desejo Comprar Urgentemente:

Sem compras, sem compras, sem compras. 

Conversa imaginária com personagem fictício:
"Brooke, querida, preciso lhe apresentar Meg Cabot. Urgente.
"

Eu falaria para o autor:  

"Haley, me poupe com descrição. Não preciso saber com que pé Vaclav deu o primeiro passo em direção à escola, nem nada do tipo."

 Estado de Espirito Literário:
Férias acabaram, mas ainda posso estar animada, né?


Literary Crush: 

Sem piriguetagem literária essa semana.

♥ Feito da Semana: 
Completei a meta do DAC e realizei meu sonho de dizer "Pode ficar com o troco" para um taxista. Sempre quis fazer isso, me deixem.

♥Queria ver no Brasil:

LOL (Estreia adiada para 10 de agosto. Espere mais uma semana e o filme vai ser só pra 2013!).

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):
YA

Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):
Minhas tudo - Mario Prata

Super Quote:

" - Então temos de exterminar qualquer coisa que não tenha medo da gente. Parabéns pra nós, macacos evoluídos - disparou Chloe."
Banidos - Liz Braswell - Página 140
 Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever):
Não faz sentido: Maior brasileiro de todos os tempos
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Vaclav & Lena por Haley Tanner

Vaclav & Lena
Vaclav e Lena parecem destinados um ao outro. Eles se encontram pela primeira vez aos 6 anos, numa aula de inglês para imigrantes em Brighton Beach, no Brooklyn. Vaclav é precoce e falante. Lena, com dificuldade no idioma, refugia-se na segurança de sua adoração por ele. Ele imagina a história dos dois se desenrolando como em um conto de fadas. No entanto, uma das muitas verdades a serem descobertas nessa extraordinária obra de estreia de Haley Tanner é que "felizes para sempre" nunca é um desfecho garantido. Um dia, Lena não vai à escola. Desaparece da vida de Vaclav e da família dele como num cruel truque de mágica. Durante os sete anos seguintes, Vaclav deseja boa-noite a Lena todos os dias, perguntando-se se ela faz o mesmo onde quer que esteja. No dia do aniversário de 17 anos de Lena, ele finalmente descobre o que aconteceu. Haley Tanner tem a originalidade e a verve de uma contadora de histórias nata, e também a ousadia de imaginar um mundo em que o amor pode superar as circunstâncias mais difíceis. Em Vaclav & Lena, a autora dá vida a dois inesquecíveis jovens protagonistas que evocam a alegria, a perplexidade e a paixão de se ter uma profunda e duradoura ligação com outra pessoa.

Autora: Haley Tanner
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580572056
Páginas: 271
Nota: 

Já tive das mais diversas experiencias literárias, contando com alguns livros, esperando não gostar de outros, conhecendo raros detalhes de outro lá. Não vou dizer que eu não sabia nada sobre Vaclav & Lena, já que depois de solicitar o livro, acabei lendo uma resenha. Descobri que o livro não tinha nada a ver comigo, fiquei mais confusa ainda, comecei a leitura entrando numa sala escura e vazia. Quando a luz acendeu, OMG, que não apague mais!

Vaclav e Lena, Lena e Vaclav. Eles se conhecem desde os cinco anos, praticamente metade de suas vidas, e se tornaram inseparáveis, brincando juntos e ensaiando seu glorioso número de mágica. Vaclav será um aclamado mágico, e Lena, sua linda assistente. Só que na véspera de sua primeira apresentação, Lena some. São sete anos sem contato, sete anos de Vaclav sem Lena e Lena sem Vaclav.

Desde a primeira página, o livro prende com sua característica mais marcante: o entusiasmo infantil de Vaclav. O protagonista, no auge dos seus 10 anos, tem aquela animação genuína e inocente de um garoto que acredita em magia e em seus sonhos. O livro pode mudar de ritmo e seguir uma linha mais sombria, porém a doçura do personagem é constante: seja no Vaclav de 10 ou no de 17 anos. Você se apaixona pelo carisma dele, e consequentemente, se cativa por aquela história.

A família de ambos é de imigrante russos, refugiados no Brooklyn. Só que entra um detalhe decisivo: Lena não tem família, não conhece seu passado, e até boa parte do livro, só se sabe que ela mora com a Tia, irresponsável e descuidada. Isso faz da garota, quase um oposto de seu querido adorador, Vaclav. Lena é introvertida, tímida, mandona e retraída. Você acaba gostando dela por vê-la através dos olhos admirados de Vaclav. 

Mesmo sendo narrado em terceira pessoa, eu me envolvi tanto com o protagonista que via a história pela cabeça dele - com exceção dos momentos em que ele não está presente. Quando Vaclav aparecia, ele tomava conta da cena, seja qual fosse. Entretanto, Haley se preocupou tanto em compor personagens interessantes e bem formados, que não deu tanto cuidado com a narração. Depois de pesar todas as qualidades e defeitos dos protagonistas para que se completassem perfeitamente, a autora desceu mão na descrição e não viu que ultrapassou os limites. É. DESCRITIVO. DEMAIS. Parágrafos eternos com ações sem fim. Não existe um detalhe que fique implícito, tudo ~tudo~ passa pelo radar da escritora. Lena vai no metrô e vê tais e tais coisas, vira o rosto para esquerda, olha através da janela e vê isso e aquilo. Uma enxugada cairia muito bem.

Sem saber o que esperar, eu encontrei um livro tão doce e tão meigo quanto seu protagonista . Você acaba adorando Vaclav & Lena, acaba querendo mais doses daquela animação infantil e inocente. Vaclav é um sopro de ar fresco naquela atmosfera sombria que os refugiados russos vivem, e acaba sendo pra você. Eu me encantei, e garanto que você também se encantará. Recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

SORTEIO: Bem mais perto

E no último dia de Uma desenha por dia,  mais um sorteio pra finalizar com chave de ouro. Antes que me perguntem: juro, eu tentei fazer pelo Rafflecopter, mas não consegui gostar - nem desapegar do Docs. My fault. Quem sabe num próximo?! Então... O sorteio da vez é do kit de Bem mais perto (resenha). Participa!
Regras:
  1. Ser seguidor público do blog;
  2. Comentar nesse post validando a participação;
  3. Ter endereço de entrega no Brasil;
  4. Preencher corretamente o formulário:

Chances Extras:  

Preencher o formulário novamente a cada condição atendida.

#SORTEIO Com a promoção da @GirliePoderosa , estou bem mais perto de ler Bem mais perto! http://migre.me/a5vQr

Boa sorte! A promoção termina dia 29/08/12 as 23h59. O resultado entra no ar por volta do dia 30/08. Não deixe de conferir os outros sorteios que estão no ar (aqui), e divulgar bastante. Pode ter acabado esse pequeno projeto de férias, mas as promoções continuam fortes!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

28 de jul de 2012

Banidos por Liz Braswell

Banidos - As nove vidas de Chloe King #1
Chloe King parece uma adolescente normal. Vai à escola, discute com mãe e se apaixona. Mas perto de seu aniversário de 16 anos, ela desconfia que pode não ser assim tão comum. A visão noturna, os reflexos super-rápidos e as garras são algumas das pistas... Ao descobrir o que é — e de onde vem — ela logo percebe que não está sozinha. Alguém quer pegá-la. A qualquer custo. Ela tem nove vidas. Mas serão o bastante?

Autora: Liz Braswell
Editora: Galera Record
ISBN: 9788501097880
Páginas: 223
Nota:

Vampiros e lobisomens são clichês. Bruxos e amaldiçoados, querendo ou não, não deixam de ser humanos. Sereias e fadas são complexas, e a Disney já se encarregou de espalhar uma imagem bonitinha e fofinha, nem sempre real, sobre elas. Quando os autores querem se arriscar no mundo dos YA sobrenaturais, acabam optando por esses seres que a gente já conhece, são poucos que inovam e criam uma nova espécie. Liz Braswell contrariou tudo: ao invés de dar vida à outras criaturas ou usar algo que já cansamos de ver por ai, ela mistura. É original, convenhamos.

Chloe é feliz em sua vida comum, cotidiana e sem graça. Isso até completar 16 anos, matar aula com seus dois melhores amigos, Amy e Paul, e cair de um torre. Não tinha como Chloe sair viva dessa, mas ela saiu - e de repente, nada mais é igual. Uma ousadia que ela não sabia que tinha, surge, e com ela, três novos garotos: dois potenciais namorados. Capacidade atlética, garras, bilhetes anônimos... Chloe não sabe mais o que é monotonia. 

Banidos, primeiro livro da série As nove vidas de Chloe King, deu origem ao seriado The Nine Lives of Chloe King, que foi cancelada há quase um ano, depois de dez episódios. A série teve o pior final da história dos finais, e o que era pra dar só aquela curiosidade comum de hiatus, acabou sendo o desfecho de toda uma história. Depois de perder boa parte do meu tempo com o seriado, eu queria respostas - e foi esse o meu primeiro impulsor à leitura (mesmo sabendo que o livro não tem o sotaque maravilhosamente sedutor de Benjamin Stone). 

Não faça como eu. Desligue qualquer referência que tenha de The Nine Lives of Chloe King quando for ler As nove vidas de Chloe King. Mudou o idioma, mudou o meio de apresentação. No livro, o ritmo é diferente, os personagens tem outras características e informações de um pouco importam pro outro. A história vai se desenvolvendo lentamente, e essa é a pequena introdução às mudanças na vida de Chloe e todo universo que ela irá pertencer. Mas não se deixe enganar que Banidos é uma iniciação sem graça: é cheio de ação e commuito romance.

Chloe é confusa e gosta de divagar (o livro é em terceira pessoa #todoscomemora), mas felizmente, a gente a conhece numa fase em que sua ousadia e coragem estão surgindo a todo vapor, assim como atitude. Se por um lado a protagonista é apática e cansativa, em outro temos uma Chloe que está se descobrindo uma super heroína. Legal ver que ela não fica fazendo drama por estar no centro de um triângulo amoroso: gosta de Brian, gosta de Alyek, fica com os dois, ora. Não pense mal dela por isso, quando você lê, acaba entendendo-a.

Sem ter o prazer de ver Grey Damon ou ouvir Benjamin Stone, parece que não tem tanta graça, mas tem sim. Banidos é introdutório, um inicio meio lento, mas quando a história começa fica difícil largar. Romance, aventura, sobrenatural meets nerd, uma boa mistura com um bom resultado. Quero a continuação! Recomendo.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

27 de jul de 2012

Confidências, Confusões e... Mais Garotas!

Confidencias, confusões e... mais garotas!

Quando um temporal desaba em plena noite de sexta-feira, os adolescentes Thiago, Rodrigo, Daniel e Vinícius tentam pensar num jeito de salvar a noite. Os garotos, então, decidem fazer uma brincadeira de perguntas e respostas e, por meio dela, narram divertidas aventuras e perrengues por que passam no dia a dia. A noite fica ainda melhor quando Fernanda e Mel se juntam ao grupo. As agruras de Daniel diante da implicância da mãe de uma namorada; a tentação de Thiago por causa da bela namorada do irmão mais velho e o romantismo de Rodrigo, provando que garotos também são capazes de amar, são alguns dos temas abordados por Reiz, cujos textos têm como marca a leveza e o bom humor. O livro é continuação de Confidências, confusões e... garotas!.

Autor: Gustavo Reiz
Editora: Rocco
ISBN: 9788579800382
Páginas: 237
Nota: 

Sabe quando você procura pela estante um livro bobo para anuviar a cabeça e esquecer aquela leitura mais pesada de recentemente? Foi esse meu pensamento ao pegar o livro Confidências, Confusões e... Mais Garotas! que eu ganhei num sorteio do twitter da @todateen há quase um ano atrás. É o tipo de livro que você não espera nada além de uma saída rápida da realidade, um passatempo. Ele cumpre essa função...

É sexta-feira, 13, e Thiago, Rodrigo, Daniel, Vinicius, Fernanda e Mel estão presos no assustador apartamento de Thiago durante uma tempestade que resultou numa falta de luz. Querendo contar, na verdade, histórias de terror, eles começam seus relatos das mais assustadoras experiencias que já viveram.

O livro se passa só durante essa noite, eles contando as histórias da sua vida. Me lembrou bastante Clube do beijo, da autora brasileira Marcia Kupstas, por ser um conjunto de contos narrado como uma história única. Não é meu tipo preferido, mas é bonzinho de ler.

Os personagens são meio bobinhos, não consegui imaginá-los como adolescentes de 15 ou 16 anos. Talvez, no máximo, uns 13/14. Cada um com suas peculiaridades, suas histórias são sobre seus romances frustrados e o que veio junto com isso: a primeira sogra, amor no carnaval, namorada gata do irmão mais velho... Todas histórias dos garotos, com pequenos momentos de "invasão sentimental feminina". Quem eu mais gostei foi Vinicius, o nerd caricato: ele foi o mais sábio, tinha as melhores tiradas e uma ingenuidade tão carismática que arranca sorrisos.

O livro é bem rápido de ler, com capítulos enormemente longos: em 240 páginas, 8 capítulos... Se fizer como eu e ler três capítulos por sentada, o livro vai em pouquíssimo tempo. O autor é roteirista, detalhe que é visível na sua narrativa objetiva, sem excesso de detalhes e diálogos.

Embora você saiba que o livro não tem nada de mais, você sempre espera ser surpreendida. É fato. Confidências, confusões e... mais garotas! cumpriu o objetivo de me fazer relaxar um pouco, mas não fez mais que isso. Os contos até são legais, entretanto histórias com introdução-clímax-desfecho são mais emocionantes. Acho que garotos gostariam do livro mais do que eu...
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Lição de Estilo #39: Miranda Kerr

Já cansei de ler entrevistas com top models que diziam pouco conhecer de moda antes da carreira. Um tempo - e vários desfiles - depois, elas se tornam figuras carimbadas nas listas de mais estilosas. É Kate Moss, Gisele, Alessandra Ambrósio... Uma que ouço pouco falar é Miranda Kerr, dona de um guarda roupa incrível, cheio de peças que são tendência na temporada. Miranda desfila fora da passarela e rende um ótimo get the look.
Que píton é tendência todo mundo já sabe (até já comentei aqui). Só que na maioria dos looks que a animal print aparece, ela está restrita aos acessórios, como bolsas e sapatos. Por que não fazer a Miranda e apostar numa peça maior, como a blusa? É só jogar outros complementos mais básicos, como o jeans e a sandália de tiras nude. Ah, claro, sem esquecer da bolsa de guerra, como a Louis Vitton vermelha que ela carrega sempre.
Todo mundo ama tricot, é lindo, a cara hippie do verão... até aparecer no inverno. O trench coat é leve, e o preto tem uma leve transparência. Para dar mais convicção ao lado cold da produção, a bota over the knee (trendy!). O chapéu deu um ar boho, redirecionando o tricot para o estilo. Cara da ryqueza!
Duas palavras: calça estampada! A tendência tá mais forte que nunca, e promete emplacar também no verão (comentei aqui). Como ela já chama bastante atenção, é só colocar uma t-shirt branca podrinha e sandália nude que já tá phyna. E não esqueça a bolsa!
Calça estampada again, só que dessa vez com outra tendência misturada: floral dark (leia mais aqui). O modelo mais curto é hype, e fica lindo com scarpin nude (er... why bico fino?). A t-shirt é de micro listras horizontais que de longe dá um efeito cinza. E a Louis Vitton vermelha, obviamente.
Não acho lyndo, mas é phynesse - e must have. O look é composto, basicamente, por alfaiataria minimalista. Comece pela camisa branca sem mangas (falei aqui), a calça nude com listra preta tem truque de styling pra alongar a silhueta, e finalize com scarpin preto de bico fino. Menos é mais, lembra?
Tribal tá com tudo (já teve post aqui)! As celebridades adoram, a gente adora, todo mundo adora. Uma única peça que tenha essa estampa geométrica coloridíssima já dá um up na produção, deixando o short jeans basicão ainda mais básico. Amei a sandália azul com branca de tiras largas, bem pesada, deixou chique. PS: Bolsa diferente, quem curte?!
Não é só estampa floral que agora é tendência no fundo escuro, paisley também é (tem mais aqui). O short com a print "multicultural" quebrou a seriedade da camisa branca sem mangas e rasteirinha nude sem graça.
Já que todo mundo ama floral, vale misturar duas peças com a estampa. Para dar uma diferenciada, ao invés de mudar o tamanho e cor da print, o contraste do tom de fundo é uma boa opção, como a camisa clara e short de cintura alta escuro. 
Color jeans não tem mais nada a ver com Restart, lembre disso. Quando a calça é vermelha, então, é tendência fortíssima. Ela dá uma cara moderna e divertida para qualquer look simples, como tshirt de listras P&B, jaqueta jeans de lavagem simples, e bolsa e sapatilha pretas. 
Eu preciso comprar uma saia plissada colorida urgentemente - e vai ser mostarda, a cara da ryqueza! Hahaha A blusa de listras P&B é básica, o blazer branco deu uma sobriedade, equilibrada com a bolsa verde e sapato vermelho. 
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

26 de jul de 2012

Bem mais perto por Susane Colasanti

Bem mais perto
Quando Brooke descobre que o amor de sua vida, Scott Abrams, está se mudando do subúrbio de New Jersey para Nova York, ela decide segui-lo até lá. Viver com o pai ausente e se adaptar a uma escola totalmente nova são desafiantes para ela — e as coisas ficam ainda piores quando ela descobre que Scott já tem uma namorada. Mas como ela aprende a sobreviver na cidade grande, começa a descobrir todo um novo lado de si mesma e percebe que, às vezes, o amor pode te encontrar mesmo quando você não está olhando para ele.

Autora: Sasane Colasanti
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630151
Páginas: 240
Nota: 

Não sei se fui eu que entrei de cabeça nesse mundo nos últimos dois anos, mas realmente acho que os índices de leitura aumentaram, principalmente entre a população jovem. YAs se tornaram mais frequentes, e de repente, histórias inéditas são raridade. Existem fórmulas que são cativas na literatura, que passa ano, passa outro ano, e ela continua lá. São os doces clichês, as piramides sociais do high school, a garota nova. Você com certeza já leu, mas se gosta, ainda não cansou. Eu não cansei.

Depois de muito pensar e esperar, Brooke finalmente toma coragem para falar com Scott. Passo um completo: ele a notou! É uma pena que ele está de mudança para Nova York... Pena não para Brooke, que decide ir atrás, afinal, ele é o amor da sua vida, mesmo sem saber disso ainda. Seu pai, que não vê a seis anos, mora lá, e é a oportunidade perfeita para mudar de vida. E conquistar o garoto dos sonhos.

Garota invisível se apaixona pelo garoto popular. Ele vai para outra cidade. Felizmente, ela tem atitude e determinação, e decide ir atrás. Em Nova York, ela é a garota nova: impopular, excessivamente inteligente, que banca a tutora para aliviar a pressão. Você não leu algo exatamente desse padrão, mas com certeza já viu outros vários livros com elementos semelhantes. Brooke é como várias protagonistas que você já conheceu, com apenas uma diferença: ela é determinada - mesmo que o motivo disso seja bem aloka.

Não implico com sua decisão de se mudar para Nova York, quem perderia a chance?! Mas por um garoto? Que ela mal conhece? Será que ela nunca leu um YA? A vida não é um filme da Disney, querida. Entretanto, eu admiro sua ambição e garra em conquistar Scott. Para outras coisas, porém, Brooke é bem complicada. A garota é um gênio, seu QI é comparado com o de Eistein. Só que ela é revoltada com o sistema escolar e suas notas são baixas, insuficientes para entrar numa boa faculdade. Brooke é determinada e corajosa, mas optar não tirar A em todas as provas por livre e espontânea vontade? Fala sério!

Susane faz um grande sucesso lá na gringa, se destacando entre os escritores para jovens. Sua narrativa é exatamente como seu livro: fofa. As palavras fluem, a leitura é gostosa e doce. Ela tem tiradas incríveis e compõe personagens muito bem. Ok, Bem mais perto é carregado de clichês, mas da forma que a autora faz, isso não parece ruim. É fofo. Apenas mais um livro fofo.

A história é conhecida, a protagonista tem uma mentalidade um tanto duvidosa, você conhece o final lá pela página 50, mas não importa, eu adorei. Bem mais perto é aquele tipo de livro meigo que você precisa ter na estante para curar a fossa pós-Suzanne Collins/Cassandra Clare/Nicholas Sparks/... . Se você gosta desse tipo, leia, Bem mais perto cumpre muito bem o que promete.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

SORTEIO: Branca de Neve e o Caçador

Achou que eu tinha dado uma pausa para novas promoções? NOPE! A segunda (e última #todaschora) semana do projeto Uma Resenha por Dia segue a todo vapor, com sorteio lyndo e inédito (sério que é inédito, Joana?!). O kit da vez é de Branca de Neve e o Caçador (Resenha), tão desejado e tão Trend Topics dos últimos dias #ironias. Tá, vou parar de enrolar e divagar (e usar hashtags).
Regras:
  1. Ser seguidor público do blog;
  2. Comentar nesse post validando a participação;
  3. Ter endereço de entrega no Brasil;
  4. Preencher corretamente o formulário:

Chances Extras:  

Preencher o formulário novamente a cada condição atendida.

#SORTEIO Gosto de fairytales e vou ler Branca de Neve e o Caçador que vou ganhar da @GirliePoderosa http://migre.me/a3sUm

Boa sorte! A promoção termina dia 26/08/12 as 23h59. O resultado entra no ar por volta do dia 27/08. Não deixe de participar dos outros sorteios que estão rolando por aqui (aqui), e comentar bastante. E espere porque tem mais coelhos na cartola! (ninguém riu)
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

25 de jul de 2012

Branca de Neve e o Caçador por Lily Blake, Evan Daugherty, John Lee Hancock, Hossein Amini

Branca de Neve e o Caçador
Uma nova visão de tirar o fôlego de um conto lendário. Branca de Neve é a única pessoa na terra mais justa do que a Rainha má que pretende destruí-la. Mas o que a perversa Rainha nunca imaginou é que a jovem que ameaça seu reinado vem treinando na arte da guerra com um caçador que foi enviado para matá-la. 

Autores: Lily Blake, Evan Daugherty, John Lee Hancock, Hossein Amini
Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581630182
Páginas: 230
Nota: 

Existe uma grande diferença entre filmes baseados em livros e livros baseados em filmes. Escrever um roteiro baseado em parágrafos de prosa descritiva é infinitamente mais fácil que narrar um livro tendo como base frases de ação e cenas filmadas. O livro de Branca de Neve e o Caçador tinha muitas chances de dar errado. Felizmente, não deu.

Ravenna tomou o poder do reino, levou o povo à miséria, e agora vive da juventude alheia. Literalmente. Seu maior trunfo é a beleza, e o único jeito de manter é se "alimentando" de garotas novas e bonitas. Para dar um fim na necessidade constante de vitalidade, ela precisa matar a beleza maior e mais pura. Branca de Neve, sua enteada que está há dez anos trancafiada numa masmorra, é a solução para seus problemas. Porém, quem pode salvar, também pode matar. Num golpe de sorte, Branca de Neve consegue fugir para a Floresta Sombria, e poucas pessoas tem coragem de entrar lá. Apenas Eric, um caçador bêbado, não tem nada a perder, e se arriscaria atrás da princesa.

Nesse caso, fidelidade à história das páginas e telonas não é um problema com que se preocupar. Em compensação, entra aquele pequeno detalhe de montar uma narrativa fluida, coisa que um roteiro não tem. O trabalho dos autores, em Branca de Neve e o Caçador, é transformar frases curtas e objetivas em uma narrativa, minimamente, poética. Não precisa ser lindo e melodioso, mas precisa ter ligação e descrição.

Essa Branca de Neve é a legitima heroína. Inicialmente reprimida, até ter a chance de se rebelar e lutar. Ela é corajosa e determinada. Eric, o caçador, é perturbado por tudo que já passou. Ele não tinha nada a perder quando recebeu a ordem da Rainha, e por uma boa parte do livro, ele é rancoroso demais para ganhar a simpatia do leitor. Basicamente, Eric é fechado, introspectivo e não foi fácil confiar nele. Mas chega uma hora que você precisa confiar. Ravenna é, para poupar palavras, cruel. Sádica, poderosa e má: exatamente como bruxas más devem ser.

Branca de Neve e o Caçador é bem escrito, tem uma história incrível e uma narrativa que flui rapidamente. Depois de duas horas, o livro já tinha acabado e eu queria mais doses dessa versão incomum do conto de fadas. Esqueça a princesa da Disney, esqueça príncipe encantado no cavalo branco, agora está muito melhor. Só não dei cinco estrelas porque, infelizmente, acabei comparando com o filme, que é excelente. O livro não é tão bom quanto, mas recomendo mesmo assim!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

24 de jul de 2012

As novas Branca de Neve!

O que mais se viu nos últimos tempos foram remakes de contos de fadas. Teve Lucy Hale como Cinderella, Alex Pettyfer como Fera, Amanda Seyfried como Chapeuzinho Vermelho, sem falar no seriado Once Upon a Time refazendo vários contos. Mas o que se destacou mesmo foram as Brancas de Neve. É Ginnifer Goodwin em OUAT, Lily Collins em Espelho, espelho meu, e Kristen Stewart em Branca de Neve e o Caçador. Mas não é porque é overdose das princesas que elas são iguais. Ah, não. Definitivamente, não.

Snow White/Mary Margareth - Ginnifer Goodwin - Once Upon a Time
No seriado, existem dois tempos. No atual, Branca de Neve se chama Mary Margareth, é professora de séries iniciais, retraída, certinha, e sem memória que numa vida passada, ela foi Snow White. Só que os espertos roteiristas refizeram todo o conto que a gente conhece: A princesa é uma ladra. Depois de fugir do castelo da Rainha, ela ganha a vida furtando. E é assim que ela conhece Charming (o príncipe). Mas ok, chega de spoiller. 
Essa Branca de Neve é mais velha, mais madura e não ficou presa em um torre. Como princesa, sua participação no seriado é reduzida, resumida em flashbacks fofos. Já Mary Margareth é personagem de destaque. Seu estilo é mais prático, e como Storybrook é uma cidade sombria, suas roupas são de inverno, pesadas e de lã. Para tirar um inspired da personagem de OUAT, vale destacar as tocas e gorros: ela adora! PS: Vale citar que a Rainha Má é mais bonita que a Branca de Neve, mas enfim... #maldades

Branca de Neve - Lily Collins - Espelho, espelho meu
A mais meiga das Snow White. Inofensiva? Eu não disse isso. Na história, Branca de Neve vive reclusa em seu quarto, até completar 18 anos e decidir visitar o reino, já devastado pela Rainha. No caminho, ela conhece o Príncipe, que pode ser a solução dos problemas financeiros que o povo vive. Nessa versão, os sete anões são ladrões, e maçãs envenenadas são coisa do passado.
Sem dúvida, Espelho, espelho meu é o mais infantilizado de todos os outros remakes. As piadas são meigas e batidas, até os vilões são carismáticos, e no geral, o filme pode ser definido como doce. Isso fica aparente até no figurino. Branca de Neve usa muita cor forte, vestidos bem realeza antiga, cheio de babados e frufrus.  Todo o filme é colorido e exótico - assim como a dança #BollywoodFellings da última cena.

Branca de Neve - Kristen Stewart - Branca de Neve e o Caçador
Esse é a mais sombria e violenta adaptação, quase gótica. O diretor não teve medo de chocar o espectador, e logo nas primeiras cenas, Ravenna, a Rainha Má, apunhala o Rei. O que se segue, é uma vilã que suga vitalidade, juventude e beleza das garotas do reino. A única que pode acabar com isso é Branca de Neve, presa toda vida numa torre. Porém, a princesa consegue fugir para a Floresta Sombria e tenta sobreviver com a ajuda do Caçador.
Nesse filme, Branca de Neve é uma guerreira. Ela tem garra, força e coragem. Cá entre nós, Kristen Stewart nem parece ela, nada a ver com a pateta da Bella. Como o foco do filme são as cenas de sobrevivência, o figurino deixa a desejar. Branca de Neve está sempre suja, com vestido puído, e quando finalmente troca de roupa, olá armadura. Mas, ok, o filme é tão bom que a gente releva.

E aí? É possível compará-las? 
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

Laura por Sarra Manning

Laura - Fashionistas #1
Laura é uma linda inglesa, vencedora do reality show "Quero ser Modelo 2011" e viu seu sonho começar a se tornar realidade ao ganhar como prêmio um contrato com a renomada agência Firce. Como muitas jovens, o seu maior desejo é se tornar uma top model, assinar contratos milionários e ser convidada para as festas mais badalas. Mas o caminho ao topo é sinuoso e complicado, será exigido muito mais do que ela pode imaginar. Mudar-se para Londres, longe do seu namorado e de sua família, ter de dividir um minúsculo apartamento com três outras garotas tão lindas e ambiciosas quanto ela e aturar pedidos insistentes de sua agência para perder peso a todo custo, são apenas os primeiros passos na vida difícil na carreira de modelo.

Autora: Sarra Manning
Editora: Prumo
ISBN: 9788579271328
Páginas: 278
Nota:

Amo moda, amo literatura, mas não sou muito de misturar essas duas coisas. Prefiro não ler sobre moda e não usar clutch livro, simplesmente deixar cada hobby lindo e sozinho. Quando me ofereceram a série Fashionistas, de Sarra Manning, eu aceitei - afinal, são romances, certo? Desfiles, coleções e muitas roupas são apenas um cenário de fundo. Um ótimo cenário de fundo.

Laura, de 17 anos, venceu o reality show "Quero ser modelo" e está com a vida ganha. Pelo menos, isso é o que ela pensa quando se muda para Londres para dividir apartamento com outras três modelos da agência. Participar de um programa de TV não a qualifica como Top Model e ainda tem um longo caminho pela frente: muitos testes, muitos nãos, muitos quilos a perder.

A primeira vista, é apenas mais um livro que fala sobre a dificuldade da vida de modelo. Só que não é bem assim. Em Fashionistas existe um quê a mais que cativa e conquista o leitor. A história é bem formada, os clichês, se existem, são bem mascarados. Ainda não encontrei o gênero que melhor o descreve... É um romance em que romance não seja relevante, um chick lit mais profundo, não sei. Digamos apenas que Laura é um excelente YA que conta sobre uma garota com problemas que não envolvem cheerleaders, high school e insegurança de meia-idade.

Quero ser Modelo é a versão literária de America's Next Top Model (só que na Inglaterra, claro). Laura tem o ego extremamente inflado por ter vencido a competição, é egoísta, egocêntrica e outros vários ego's. Além disso, a protagonista chora (e chora, e chora, e chora). Tudo é motivo para cair em lágrimas. A vida tá complicada? Vou chorar. Não consegui aquele teste? Vou chorar. Um copo quebrou? Vou chorar. Mesmo ela sendo chata boa parte do livro, eu gostei dela, torci por ela. Laura amadurece, se mete enrascadas, acaba sendo forçada a crescer.

Agradeço por Sarra escrever em terceira pessoa. Ela escreve muito bem, mas se fossemos conhecer a história pelos olhos lacrimejantes de Laura, não seria tão bom assim. Sua narrativa é fluida, gostosa e passa muito rápido. A autora consegue equilibrar todos os elementos importantes para o livro e não deixa a desejar em nenhuma parte. Tudo é bem formado, tudo é bem estruturado. Não existem brechas.

A série Fashionistas é composta por companion books, e a história de Laura terminou aqui. Eu amei! É um livro que foge da overdose de sobrenaturais e romances clichês, tem um pano de fundo maravilhoso, e uma protagonista que mesmo chata, é legal (vai entender...). Recomendo!
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa

23 de jul de 2012

Looks: Teen Choice Awards 2012

Quem me segue no twitter (@GirliePoderosa, clg!) acompanhou ontem a pequena "cobertura" do Red Pink Carpet do Teen Choice Awards, um dos eventos mais esperados do ano. Os indicados são celebridades que fazem parte do seu dia (diferente do Oscar com seus filmes cult), os looks podem inspirar você para aquela festa mais loosho... Cá entre nós, as celeb andam meio sem graça, e acabam decepcionando com sua simplicidade cansativa. Porém, tem aquelas que se destacam #tksGod. Confere os 10 melhores:
1º: Troian Bellisario
Nunca fiz balé, mas acho o figurino a coisa mais amada do mundo: tule, saias rodadas e tons de rosa meigos... Quer coisa mais fofa?! Troian usou body e saia da grife Maria Lucia Hohan,  bem nesse universo clássico, com plissados no decote comprido e saia bem armada, tudo em variantes de rosa nude. Quero djá!
2º: Miranda Cosgrove
Momento perua grita: EU PRECISO DESSA ROUPA! É muito lyyndo, gente. Collette Dinnigan, todo prata, respirando brilho, com detalhes de pedraria... Quer mais? A blusa, de modelagem mais larguinha, é de um brilho mais "sutil", com gola e mangas com detalhes de pedraria. A saia é mais chamativa, o brilho é mais forte, as "listras de pedras" são mais constantes e aparentes. Phyna.
3°: Lea Michele
Quando Lea assume seu lado mais jovem, seus looks ganham muito. Já basta precisar vê-la em Glee usando peças dos anos 30. O vestido Versace tem uma influência vintage bem sutil, apenas pela discreta estampa de rosas delineada por linhas prateadas. O rosa bebê se misturava com menta, só que em menor parte. Agora sobre o cabelo... Só eu achei que ela tá bem L.A. girl com ombré e ondas largas?
4º: Taylor Swift
Também de Maria Lucia Hohan, TayTay apostou de novo no seu tradicional vestido meigo, coringa e com feelings gregos. O modelo é cheio de plissados, com saia irregular, cut out lateral (lembra que eu comentei a trendy por aqui?), e cinto fino trançado do próprio tecido. Acho fofo - mas nem um pouco surpreendente.
5º: Lucy Hale
Eu gosto de Lucy, mas, convenhamos, na maioria das situações ela acaba usando coisas um tanto exóticas. Quando aparece com vestidos básicos, como esse Wes Gordon, o efeito é outro. Decote não óbvio, estruturado, saia rodada, o coral chamativo que anuncia a permanência dos neons por mais algum tempo. É simples ao mesmo tempo que tem seus detalhes fashionistas. I like it.
6º: Hollan Roden
Aproveitando enquanto Teen Wolf vive um de seus melhores momentos e Lydia está sendo uma agradável surpresa, Hollan aparece com um Alice+Olivia que é a cara de seu estilo fofo. O vestido tem uma vibe retrô, com as maxi flores douradas sob marinho, além de comprimento e decote bem comportados. O cinto dourado pálido marcou a silhueta para a abertura da saia e ficou bem discreto, apenas um toque mais moderno à produção.
7º: Victoria Justice
Muita gente considerou o Gomez-Gracia de Victoria o melhor look da noite. Admito que é muito bonito, mas como é que ignoraram essa gola preta e sufocante? O busto do vestido ficou fechado demais, e não deu muito certo. O cinto parece que a engordou um pouco pelo corte da estampa na parte de cima do vestido, achatando a silhueta. Da cintura para baixo é lindo! O mullet tem um movimento ótimo, e a estampa geométrica é hype. Dá pra cortar e fazer só a saia?
8º: Bella Thorne
Para um evento desse porte, a produção de Bella é um tanto pouco criativa, mas achei a cara dela #indiretasmaldosas. No tom de rosa nude que ela ama, era regata de seda com a saia All Saints toda de paetês, que deu um efeito legal. Adorei a sacada do colar, em formado de gola peter pan só nos contornos. Só acho a ankle boot Brian Atwood muito fechada e pesada para o look. Vai um scarpin nude ai?
9º: Demi Lovato
Diga o que quiser, mas eu gostei do vestido que a apresentadora da noite usou. Certo, é cheio de transparência, vazados, bordados, com toques de amarelo berrante, e barra de penas, mas é legal. Só esse penteado não colou... É pra fazer a guerreira, querida?
10º: Carly Rae Jepsen
Não gosto de conjuntinhos, mas esse Lisa Ho até que passa. A estamparia preta parece fazer um degradê com o rosa nude, e vai pesando só pra baixo. A clutch Kate Spade com estampa de coquetel deu uma cara mais divertida e jovial. 
#FAIL da Noite: Debby Ryan
O que dizer... Alguém faz o favor de lembrar à Debby que ela tem 19 anos e não 59? O que faz alguém pensar que usar um vestido justo branco com estampa forte lateral daria certo? Achatou a silhueta completamente, sem falar que é fechado demais - um pequeno vazado no ombro não foi suficiente. É... Dessa vez nem uma sandália de tiras Chanel conseguiu segurar.
Bjs,
Para vc que me ama, Girlie Poderosa